Casamento: separar ou não?

Casamento: separar ou não?

Às vezes, quando atendo pessoas prestes a separar-se, penso que se eu soubesse o que sei hoje, não teria me separado uma vez sequer… Nada é feito sozinho em um relacionamento, mas estamos vivendo em uma época em que se não dá, separa. O que nos esquecemos é que somos espíritos e que antes de reencarnarmos, sabíamos o que iríamos passar e porque passaríamos, mas a evolução não é nada fácil.

Uma das perguntas que faço às pessoas decididas a enfrentar uma separação, é: “O que você viu nesta pessoa que a fez amá-la?” . E ela ainda tem esta qualidade? Há um repensar por parte das pessoas depois destas perguntas.

Levei muito tempo para entender que um relacionamento não é um conto de fadas; um relacionamento é um recomeço todos os dias, que você não é dono de seu companheiro(a), e quanto mais livre o(a) deixarmos, mais será seu(sua). Ninguém é de ninguém, somos espíritos que se reaproximam para aprender. Aí entra o meu questionamento: se somos espíritos e viemos aprender, separar é a melhor solução ou apenas uma fuga para não enfrentarmos o que provavelmente não viemos enfrentando e evoluindo há várias vidas?

Parece que o casamento e os relacionamentos são como roupas que usamos um tempo, depois que não está mais na moda ou não nos serve mais, jogamos fora. Não somos coisas, somos seres humanos, espíritos reencarnados, e a nossa nova chance de acertar é hoje, é agora, não precisamos, então, esperar uma nova encarnação para mudarmos a maneira como pensamos. Estamos vivendo no presente e se ganhamos um presente, devemos cuidar bem dele.

São as pequenas coisas da vida que fazem um relacionamento. Uma das coisas que aprendi ouvindo um casal, foi que o casamento deve ser renovado a cada dia, como uma planta que precisa de sol e água. Me ensinaram que dar um bombom, um recadinho no bolso do casaco, na mala da viagem, um almoço preparado com carinho, uma flor roubada, um elogio, alimentam o casamento. Os homens pensam de um jeito, as mulheres de outro, mas viemos para nos relacionar, e o nosso aprendizado está nas relações, porque é com elas e nelas que aprendemos.

Um dia, me emprestaram um filme que falava sobre um casal à beira da separação. Na verdade, eles se amavam, mas só se deram conta do seu amor quando viram o quanto eram egoístas, cada um vivendo a sua vida e não colocavam Deus nela. E não acreditar em Deus, saber que existe uma Força Superior que nos rege, está fazendo muita falta nas famílias e nos relacionamentos. Estamos vivendo sem fé e sem crenças, e isto é o que falta, porque as crises chegam, mas quando há fé, elas vão embora sem desabar a estrutura familiar.

E, quando nos separamos, será que resolvemos o nosso problema? Para mim, os problemas de uma separação costumam ser muito maiores depois, pois normalmente há filhos nas histórias… então, se separação não é a solução, como continuarmos vivendo a vida a dois quando tudo parece um caos total? Começando a mudança por nós mesmos, pois geralmente julgamos o nosso companheiro ou companheira como o grande problema, mas não enxergamos que a dificuldade está em nós, e que a única pessoa que podemos mudar somos nós mesmos. Mudanças são difíceis, mas não impossíveis, e quando mudamos, tudo muda, pois muda a energia em nós. Na verdade, estamos aqui neste mundo para aprender e a maneira como vamos aprender, sofrendo ou não, é uma escolha, e separar ou não é também uma escolha. Então, separar ou não é muito mais, querer ou não querer aprender nesta Escola, que é chamada vida…

A todos uma ótima encarnação.